As peças mais antigas do armário: dias 06 e 07

Comenta aqui!
Finalmente chegamos ao final da nossa semana temática com as peças mais antigas do armário. Como a gente deu uma atrasadinha durante a semana, o post de hoje conta com dois looks! Sabadão e domingão juntinhos num post só.  Então vamos lá que tem muito assunto pela frente!

De todas as peças que apareceram aqui durante a semana, talvez essa seja a mais especial de todas. Essa saia tem uma década. Eu sei porque comprei a bichinha pro casamento da minha irmã, há exatos 10 aninhos. O look completo na verdade era um conjunto: a saia de seda rosa do look de hoje e um top frente única do mesmo tecido.

O top acabou ficando pelo caminho, numa das lojinhas do Enjoei. Mas a saia continua sendo um xodó que guardo (e uso) com todo carinho.

Na verdade, depois do casamento pro qual ela foi originalmente destinada, passei bons tempos sem usar a bichinha. É que achava muito chique e nunca tinha ocasião pra tirá-la do armário. Aí chegou o ano sem compras e eu me dei conta de que chique mesmo é a vida e que todo dia é dia de usar as roupas que a gente ama. Desde então, eu adoro usar a tal saia de festa no dia a dia. Basta jogar uma camisetinha ou um tricô e tá resolvido, no melhor estilo hi-lo.


Hoje resolvi combinar a saia com um pulôver cinza escuro levinho. Como o pulôver tinha detalhes rosa choque, o conjunto funcionou super bem.


E já que tinha rosa no conjunto todo, por que não jogar um batonzão no meio dessa história?


Pra fechar, mais um ítem antigo no armário. O escarpin vermelho mais amado deste blog!


Pronto, look 06: check!

O vestido do último look da semana também é velhaco. Eu comprei na Farm há uns 8 anos atrás. Confesso, foi amor à primeira vista. Especialmente porque eu acho a combinação de rosa com vermelho uma das mais lindas. E ele é um desses vestidos super democráticos que fica justinho onde tem que ficar e folgadinho onde tem que esconder, sabe?

Acho que passei um mês indo pra todas as baladas com ele (pois é, eu já fui bem da baladeira). Aí, há alguns meses, ele começou a descosturar. Achei que não ia ter jeito, mas levei numa costureira e a moça milagrosa consertou. E cá ele está de novo. Lindo e cheio de charme, pronto pra mais uma balada (ou um jantarzinho, né?)


Pra combinar (e esquentar um pouquinho porque o ventinho frio aqui não pára), o casaquinho de pelúcia.


Pra finalizar: batom vermelho e (de novo) os famosos escarpins.


Espero que vocês tenham gostado da nossa semana temática tanto quanto eu. Amei desenterrar os meus tesouros e saio da semana achando cada um deles mais valioso do que nunca. E você? Já desenterrou os seus?

Créditos look 1

Saia: Mixed
Top: comprei numa viagem, agora esqueci completamente onde
Sapato: Maria Bonita Extra
Óculos: Zara
Batom: Relentlessly Red da MAC

Créditos look 2

Vestido: Farm
Casaco: Zara
Sapatos: Maria Bonita Extra
Batom: Russian Red da MAC

Alimento para o pensamento

Food for thought é uma expressão em inglês que, se traduzida ao pé da letra, seria alguma coisa como "alimento para o pensamento". Acho ela maravilhosa porque acredito piamente que a formulação de raciocínios e opiniões sobre as coisas precisam ser alimentadas por informação.

Às vezes a gente acredita numa coisa simplesmente porque não conhece ela direito. Às vezes a gente não concorda com o estilo de vida de alguém simplesmente porque nunca se colocou no lugar daquela pessoa.

E nesse sentido eu acho a internet uma ferramenta revolucionária mesmo. Um lugar onde eu posso estudar o outro, entender outras realidades, ver a vida pelos olhos e opiniões de outras pessoas. E, assim, formar opiniões (ou rever as que eu já tinha) que tem mais a ver comigo, que estão de acordo com os meus valores e a minha forma de ver a vida.

Tenho tentado cada vez mais otimizar o tempo que passo na internet. Menos tempo com fofocas das redes sociais. Mais tempo com matérias que me inspiram e que me melhoram como ser humano. Menos tempo lendo sobre a celebridade que foi pra praia no Leblon. Mais tempo conhecendo gente que está mudando o mundo.

Pois essa semana acabei dando de cara com um monte de matérias interessantes e inspiradoras na web sobre um monte de assuntos que me fascinam muito. E eu queria dividir com vocês algumas dessas coisas que me inspiraram. Pode? Então vamo.

O Humans of New York é um blog que eu amo e sigo há algum tempo. Brandon Stanton, fotógrafo  e idealizador do projeto, posta diariamente fotos de habitantes anônimos da cidade. Através de cada foto e suas legendas, Brandon nos oferece retratos lindos, complexos e intrigantes de desconhecidos.

Mas essa semana o HONY postou uma foto que comoveu o mundo. Foram mais de 270 mil compartilhamentos no primeiro dia e respostas de celebridades e ativistas do mundo inteiro.


Na legenda lia-se: "Sou homossexual e tenho medo de como será o meu futuro e se as pessoas não irão gostar de mim."

Melhor resposta que eu vi até agora foi da Hillary Clinton.  Em um post no Facebook, a canditada à presidência dos EUA disse:


"Previsão de um adulto: seu futuro será maravilhoso. Você vai se surpreender com o que você é capaz de conquistar e com todas as coisas incríveis que você ainda vai fazer. Encontre pessoas que amem você e que acreditem em você. Você verá que serão muitas."

Falando em compaixão e auto-aceitação, achei incrível e um verdadeiro exemplo a história da inglesa Harnaam Kaur. A moça descobriu ainda criança que tinha síndrome de ovário policístico, uma disfunção hormonal que fazia com que pêlos crescessem em seu corpo e rosto. Ela sofreu bullying e chegou a pensar em se matar. Até que resolveu direcionar sua energia para virar sua vida e ser feliz como realmente é. A história da moça e um lindo ensaio fotográfico dela estão aqui nessa matéria do Hypeness.


Engraçado quando a gente começa a se interessar por certos assuntos e eles começam a chegar na gente sem a gente ter nem que procurar. Essa semana um amigo me mandou essa matéria maravilhosa da Glamour com 4 blogueiras muçulmanas super inspiradoras.


Eu confesso: nunca tinha pensado em seguir uma blogueira muçulmana.  É que sempre que pensava "muçulmana" pensava em burka. E me senti uma ignorante ao ler essa matéria e descobrir existe um mundo que desconheço. Fiquei feliz em conhecer as moças e comprovar que inspiração realmente não vê fronteiras. Mulheres lindas, felizes e com bom gosto de sobra. Adorei especialmente a Ascia Al-Faraj (essa que aparece nas fotos aqui em cima). Ela é fofa demais, chique no último e tem um blog bem lindo em que mostrar um pouco da sua vida em família.

Aliás, fiquei sabendo também essa semana que a Uniqlo fechou uma parceria com a uber blogueira muçulmana Hana Tajima. A coleção, que estárá disponível apenas em alguns países da Ásia, foca em conforto, tecidos leves para looks casuais e, claro, ítens mais tradicionais como o hijab e a kebaya.


Pra terminar esse post de alimentos para o pensamento, queria compartilhar com vocês um projeto chamado "Vamos falar sobre o luto?". Uma iniciativa de 7 amigas que já perderam alguém importante na vida e tiveram que se confrontar, não só com a dor da perda, mas também com o tabu que é a morte na nossa sociedade.


O projeto tem como objetivo tratar o assunto do luto, dando conforto e acolhimento e oferecendo informação pra que as pessoas consigam lidar melhor com esse momento tão difícil na vida. Inspirador e emocionante. Quem quiser saber mais sobre a iniciativa e contribuir pra ela que ganhe vida, basta entrar aqui.

Se você também viu coisas por aí que te inspiraram, não deixa de dividir aqui com a gente também. Quanto mais "food for thought" melhor.

As peças mais antigas do armário: dia 05

Quinto dia da nossa semana das peças mais antigas do armário e esse casaquinho não podia faltar. Ele foi visto pela primeira vez por aqui no primeiro mês da saga (mais precisamente no dia 03, aqui ó).

Ao contrário dos demais itens dessa semana, ele foi muito barato. Comprei na H&M numa viagem pra NY há pouco mais de 6 anos. Deve ter custado uns 20 dólares se muito, mas eu me apaixonei por ele todo: estampa romântica, modelagem meio curtinha, gola larga. E, por conta desse amor todo, sempre tomei muito cuidado com o bichinho. Lavei direitinho, guardei direitinho e, apesar de ter usado bastante, me atentava pra ser um pouco menos estabanada quando estava com ele.

O resultado foi esse. Mais de 6 anos juntos e ele ainda tá bonitão, sem uma manchinha e com as cores vibrantes do jeitinho que ele chegou no armário.


Eu gosto muito dessa jaquetinha também pelo fato dela ser um jeito bem charmoso de inserir um pouco de rosa no look. Cês sabem que eu não sou das meninas mais rosadas, mas de vez em quando é bom, né?

No look de hoje resolvi combinar a jaqueta com uma calça vinho (ou Marsala pra quem curte as tendência tudo) pra deixar a história com um clima mais invernal. Rosa e vinho é uma dessa combinações que sempre funciona. O rosa traz jovialidade e diversão e o vinho agrega sobriedade e elegância pro look. Ou seja, equilíbrio perfeito.


Embaixo da jaqueta, uma camisetinha bege pra não brigar com nada e, nos pés, slipper super confortável, mas cheio de riqueza agregada.


Agora só faltam os looks do finde! Mais duas peças velhinhas porém lindas vindo por aí!

Créditos:

Calça: Andrea Marques
Camiseta: COS
Jaqueta: H&M
Sapatos: Schutz
Batom: Crush da Sephora

Macacão, elegância em qualquer ocasião (até rimou!)

Comenta aqui!
Quem já acompanha esse espacinho virtual há algum tempo, sabe que essa blogueira que vos escreve tem uma bela de uma queda por macacões. Sim. Eu confesso. Não consigo ver um macacão pendurado numa arara sem querer puxá-lo de lá, olhar direitinho, experimentar e, no mínimo, ver como é que o bichinho se comporta no corpo. Eu uso sempre e uso muito, que prova maior do que ter usado um no dia do meu casamento civil (olha ele aqui embaixo, é o segundo da esquerda pra direita!).


A verdade é que acho um troço tão prático! A resposta perfeita praquele dia em que você precisa estar bem vestida, mas a criatividade teima em não aparecer. O macacão já tá ali, pronto, um look todinho de esperando.

E fico bem feliz de passear pelas ruas e, de uns tempos pra cá, encontrar cada vez mais opções diferentes de macacões, pra todos os gostos, estilos e ocasiões.

Definitivamente o macacão deixou de ser sinônimo de jardineira e virou um ítem sexy, chique e super estiloso do armário. Basta ver a quantidade de celebridades desfilando nos últimos red carpets usando um. Uma que sabe tirar de letra o macacão em todas as ocasiões?


A Diane Kruger não guenta ser linda e ter um namo super fofo (quem não amava o Pacey de Dawson's Creek?), ela ainda é suuuuupr chique. Não à toa consegue ir do pin up chique ao ultra glamour, passando pelo festival look, tudo de macacão.

Então, concordando com Dona Diane e prestando homenagem à essa peça tão versátil, vamos mostrar como ele pode sim ser amigo da elegância em todas as horas e ocasiões.

CHIQUE DE DIA
Sim, macacão de dia ainda lembra looks despojados e, muitas vezes, casuais até demais. Mas dá pra suuuuuper elegante de macacão durante o dia. O segredo? Corte. Escolha modelos com uma boa dose de alfaiataria (eu amo os que tem parte de baixo largas no estilo mais pantalona). E já que é dia, aproveite que o look total white veio pra ficar e aposte num macacão todo branco. Elegância pura.


CHIQUE EM CORES
Branco é lindeza e elegância pura, mas cores também podem ser super amigos de looks super chiques e diurnos com macacões. Cores contrastantes entre a parte de cima e a de baixo também podem criar a sensação de um look com duas peças.


CHIQUE RECORTADO
A modelagem é essencial pra que um macacão seja elevado a esse novo nível de elegância. E essa é a grande vantagem do macacão. Como estamos falando de uma peça só, acaba sendo muito mais fácil de recortar formas diferentes e manter tudo arrumadinho (o que fica mais difícil quando se trata de calça e blusa). Aposte em modelos com recortes ousados e diferentes em um tom sólido único. Assim, fica a modelagem diferente vira foco do look e estrela do show.


CHIQUE COM ACESSÓRIOS
Sim, é difícil compor looks diferentes com macacão. Eles são uma peça única, então realmente fica complicaod fazer o tal de mix & match (até dá e a gente já mostrou aqui, mas é mais difícil). Porém, por outro lado, acessórios lindos e poderosos podem ser os melhores amigos na hora de deixar o seu macacão mais versátil e ainda mais chique. Com modelos mais minimalistas, abuse de acessórios poderosos: maxi chapéus, maxi colares, maxi carteiras. Maxi de um tudo.


CHIQUE  DE NOITE
Siiiim, macacões podem ser tão ou mais chiques do que qualquer vestido de festa. Dá pra ir pro casamento da amiga, pro jantar chiquérrimo do trabalho e até pra entrega do Oscar. Segredos: tecidos nobres, corte perfeito e brilho! Pode ser no próprio tecido, pode ser bordado, mais um belo brilho eleva macacões a status de jóias. Chique no último e cheio de personalidade.


Qual o jeito que você mais gosta de usar macacão? Tem dicas? Conta aí pra nós!

As peças mais antigas do armário: dia 04

Ontem eu passei o dia fora e não consegui postar o look da nossa semana temática. Portanto, cá estou pra reparar o dano e colocar a nossa semana em dia.

Acho que vou começar dizendo que estou completamente apaixonada por esse look. Saí ontem no fim do dia com o boy pra dar uma voltinha e comer uma pizza e queria uma roupa confortável e quentinha (porque a gente ia andar pelo bairro), mas com um certo charme (porque, afinal das contas, a gente também quer ficar gatinha pro boy, né?).

A verdade é que tô usando esse tricô de hoje desde que ele entrou no meu armário (há quatro dias) praticamente sem parar. Eu fiquei tão empolgada de ter encontrado o bichinho largado numa arara de mega liquidação da Gap por 6 doletas e achei ele tão tão tão charmoso e confortável que ando usando até pra ficar em casa.

Daí, ontem, eu já tava com ele quando o boy chegou e falou pra eu me arrumar rapidinho pra gente dar uma volta. Eu já tinha separado o ítem antiguíssimo do dia e ele tava num canto olhando pra mim como quem pergunta: "E aí? Me separou, me deixou aqui no canto e não vai me usar?" Catei o bichinho, olhei pro meu tricô e assimilei que eles combinavam direitinho. Agora só faltavam as calças. Só.

Cheguei a pegar uma calça jeans e aí quem tava embaixo dela no cabide? A calça dourada mais linda desse armário todinho (ok, só tem ela). Pronto, resolvido.


Coisas que eu gostei desse conjunto todo: as modelagens são super amplas, confortáveis e bem casuais, mas o jogo de cores (olha o camelo, minha cor preferida desse inverno ganhando mais um uso aí) e o contraste de texturas elevaram o look a outro nível.


Como tava um ventinho bem frio à noite, acabei incluindo o cachecol bege na composição. O legal é que ele complementou bem as cores do look e ainda tinha uma textura mais grossa que contrastou bem com o tricô.


Por fim, olha ele aí. O meu sapato mais antigo do armário, com uns 8 anos de casa.

Eu confesso, meus sapatos não duram muito. Eu nunca tive carro, ando pra cima e pra baixo, pego ônibus, ando de bicicleta. Os bichinhos sofrem. Mas eu sempre cuidei muito bem desse par (e até o poupei em certas ocasiões), simplesmente porque eu acho ele uma jóia. Delicado, original, feminino e masculino ao mesmo tempo e lindo de morrer. Por mim eles passam a vida comigo e depois vão viver mais um tiquinho nas mãos de mais alguém que os ame tanto quanto eu (quem sabe não deixo de herança pra umas futuras filhotas?).


Créditos:

Calça: C&A
Tricô: Gap
Cachecol: Gap
Sapatos: Maria Bonita Extra
Óculos: Ray Ban na Sunglasshut
Bolsa: Accessorize
Colar: Colheita Especial

São Francisco para iniciados: Mr Holmes Bakehouse

Há umas duas semanas eu tava super empacada sobre o que escrever por aqui. Acabei entrando no Snapchat pra pedir ajuda e ouvir um pouco do que vocês queriam ver por aqui. O retorno que recebi foi maravilhoso. Ideias ótimas, originais e super úteis pro dia a dia de todo mundo. Anotei tudo no meu caderninho de ideias e, aos poucos, elas vão aparecendo por aqui.

Mas uma sugestão foi recorrente e eu tratei de colocar ela em prática logo porque, cês sabem, a voz do povo é a voz de Deus. "Sai de casa, Jô! Vai pra rua mostrar São Francisco pra gente!". Eita, não é que vocês tem toda razão?

Eu saio bastante por aqui, aproveito muito do fato de ter uma agenda bem flexível por estar trabalhando de casa. Mas eu não queria mostrar o óbvio de São Francisco. A Golden Gate, o Fiserman's Wharf, a Union Square, Alcatraz. Pra isso é mais fácil entrar lá no Viaje na Viagem que tem tudo e eles vão falar com muito mais propriedade do que eu.

Mas aí eu tive uma ideia: mostrar o circuito off turismo de SF. Como turista, eu sempre gostei muito de conhecer esse lado de cada cidade que visito. Ter o olhar de quem vive e não de quem visita. Saber os lugares que tão bombando entre a galera que convive com a cidade todos os dias.

E agora sou eu que tô vivendo aqui. E, depois de 4 meses por aqui acho que já me sinto à vontade pra começar a falar com alguma propriedade sobre esse lugar.

Dito isso, chegamos a esse post que inaugura uma nova tag aqui no blog: São Francisco para Iniciados. Cada post, um lugar pra descobrir por aqui. Bairros despontando agora, restaurantes novos ou antiguíssimos, lojas, salões de beleza peculiares, feirinhas de antiguidades a orgânicos. Lugares fofos, diferentes e curiosos, que não costumam aparecer nos guias de viagem, mas dizem muito sobre o que essa cidade.

Então vamos começar hoje com um lugar que eu descobri por obra do destino, numa consulta médica.

Tô lá no consultório esperando ser atendida. Eis que entra um mocinho. Novinho, cara de recém saído da faculdade. Era desses rapazes que trabalham em indústria farmacêutica e ficam indo nos consultórios pra tentar convencer os médicos a testarem (e recomendarem) seus medicamentos. Tudo comissionado, claro. Quem viu Love and Other Drugs com o Jake Gyllenhaal sabe bem do que eu tô falando (aliás, quem não viu pode tratar de ver agorinha).

O moço chega cheio de graça pras duas recepcionistas. Sorrisão e uma caixa branca bonita nas mãos. Encosta no balcão e começa: "Descobri o que é aquele lugar que sempre fica fila de manhã aqui perto!" Eis que o moço abre a caixa branca. O cheiro que sai da caixa invade todo aquele ambiente branco e asséptico e eu vejo os olhinhos das duas moças brilharem olhando pra dentro dela.

Olhei pra caixa de novo. Em letras douradas estava escrito Mr Holmes. Google.

Entrei na consulta. Saí da consulta. Andei duas quadras e parei diante de um lugar que não parecia uma patisserie, mas era.

A Mr Holmes abriu em novembro do ano passado, no Tenderloin. Um bairro decadente, conhecido até bem pouco tempo atrás como uma das regiões mais violentas de São Francisco. Fica bem no centro da cidade, pertinho ali da Union Square e do Financial District, mas abriga habitantes não tão encantadores aos olhos turísticos.


Porém, de uns tempos pra cá o bairro tem atraído mudado muito e começou a atrair atenção de investidores especialmente do comércio e do setor imobiliário. Sempre começa assim, gente jovem que se muda atraída pelos aluguéis mais em conta e pela proximidade do centro da cidade (onde a maioria trabalha). Aí começam a aparecer alguns pequenos negócios voltados pra esse pessoal jovem que foi morar lá. Aí o bairro começa a ficar mais atraente pra quem mora em outras regiões. Foi assim com o Brooklyn e o Meatpacking em NY. Foi assim com o Mission, SOMA e agora o Tenderloin aqui em SF (conto mais desses bairros nos próximos SF para iniciados).

Bem, voltando ao Mr Holmes. Trata-se de uma patisserie. Hypster em sua essência, das vitrines de vidro com escrito moderno, aos azulejos brancos na parede que servem como contraste perfeito para o neon rosa com os dizeres: "I got baked in San Francisco" ("eu fui assado em São Francisco"). Sem dúvida, um ambiente muito bem pensado pra ser moderninho e causal, jovem e cool sem ser pretensioso demais.


Entrei numa fila pequena que levava a um balcão de vidro. Ali atrás, fileiras e mais fileiras de coisas lindas e cheirosas. O cheiro da caixa do consultório. Parei em frente à atendente e perguntei o que era o carro chefe. Ela foi categórica: "O cruffin, mas acabou.". Cruffin, minha gente, é o novo cronut. Eu explico. Cronut era uma espécie de cruza de um croissant com um donut. Coisa linda da vida que virou febre há uns dois anos aqui nos EUA. Pois o cruffin é a cruza de um croissant com um muffin. Ou seja, não tem como ser ruim esse negócio.


Aparentemente, o cronut do Mr Holmes ficou tão famoso por aqui que todo dia tem fila na porta às 8 da manhã pra conseguir colocar as mãos na fornada do dia.

Como eu cheguei às 11, não foi dessa vez. Tive que me contentar em escolher entre as outras coisas. Tipo o donut recheado de creme de amendoim, ou a amélie, um folhado doce que derrete na boca.





Eu acabei comprando um monte de coisas pra ir provando. Lá mesmo, comi um folhado de alcachofra e queijo. Comprei um outro de cogumelos e queijo que levei pra casa e comi no almoço com uma saladinha (ficou sensacional). E comprei dois doces: uma amelie (esse que falei aqui em cima) e um muffin de framboesa.



Se você tá vindo passar uns dias aqui, a minha dica é comprar vários passar numa lojinha de conveniência, comprar um vinho e uma saladinha e levar pra fazer um piquenique em um dos parques lindos espalhados por toda a cidade.

Ah! E quando você compra 6 ítens ou mais, eles vêm nessa caixa fofa (a mesma do moço do consultório). Pra ficar ainda mais fácil de carregar as guloseimas, também dá pra comprar a sacola fofa (com os mesmos dizeres em neon na parede).  Afinal de contas, dieta nas férias não combina, né?





A Mr Holmes fica na Larkin St 1042 e abre todos os dias. Durante a semana eles abrem às 7am e nos fins de semana às 8am. A loja fecha quando o estoque do dia acaba.

Bem, espero que vocês tenham gostado da nossa nova tag! E se você já veio aqui e também tem dicas espertinhas da cidade, conta pra mim que eu vou lá conferir.



As peças mais antigas do armário: dia 03

Terceiro look da nossa semana slow fashion, da moda devagar, das roupas que nos acompanham por décadas num casamento sólido, que às vezes dá uma esfriada, mas que sempre dá a volta por cima. Amor é amor, né? E as peças dessa semana são todas bem amadas.

Preciso confessar que essa semana está me inspirando muito. A coisa mais gostosa de ter peças muito antigas no armário é que, depois de um temporada esquecidas, quando a gente se reencontra, parece que ganhou uma roupa nova. Quem nunca teve essa sensação? De achar uma velharia perdida no armário e se empolgar pra usar de novo como se fosse a primeira vez.

Pois foi tanta empolgação que o look de hoje não tem só uma, mas DUAS velharias muito amadas do armário.

A primeira, quem vê o blog há muito tempo já tá cansado de ver. Trata-se da bolsa que eu garimpei num brechózinho em Buenos Aires há anos atrás numa viagem com a família. Pra ser bem sincera, eu garimpei a bolsinha e me apaixonei. Mas tinha deixado meus din dins em pesos no hotel e até tentei passar uma conversa no vendedor, mas não ia rolar fiado de jeito nenhum. Eis que o meu pai se compadeceu da minha cara de gato de botas e arrematou a bolsinha pra mim. Não foi cara, mas foi o gesto. Amo mais o fato do meu pai ter me dado do que ela ter dois C's entrecruzados.

A segunda peça é obra do outro lado da minha árvore genealógica. Uma saia que orgulhosamente pertenceu ao armário da minha mãe e há uns bons anos passou pras minhas mãos. Ela sempre fazia isso. Toda vez que eu ia pra Salvador visitar, ela aparecia no meu quarto com um bando de roupa que não cabia mais. Sendo que ela nunca engordou. Acho que era mais querer me fazer um agrado do que qualquer outra coisa.

E foi numa dessas levas que essa saia de couro absolutamente linda e chique aterrissou no meu armário. Pra quem não lembra dela, eu refresco a memória.


Quem lembrou é porque é fã do UASZ desde o inicinho! Esse look foi da semana temática do Sex and the City e era em homenagem à Miranda. Por isso, eu queria que o look fosse super adulto, bem power woman, pra retratar esse lado independente da Miranda.

Hoje, quando escolhi essas suas peças pra figurarem no terceiro look da nossa semana eu queria exatamente o oposto. Queria pegar essa saia que tem um aspecto claramente profissional e sério e deixá-la mais divertida e jovem (até pra contrastar bem do look original).

Bem, misturando alhos com bugalhos, quem acompanha o meu Snapchat (jojouasz) viu que ontem eu fiz uma peregrinação pelas liquis que tão rolando aqui em SanFran. Mostrei um monte de achados que encontrei pela H&M, Uniqlo e Zara, mas deixei de dizer (propositadamente) o que foi que eu trouxe pra casa. E, qual não é a minha sorte, o que eu trouxe pra casa era exatamente o que o look de hoje precisava.


Esse tricô talvez seja a coisa mais maneira que eu comprei no último ano. Só tinha 1. Era M. Tava $22,99. Era pra ser e foi. Catei na zona da liquidação da Zara e não larguei mais.

A verdade é que ele é confortável, quentinho, lindo, volumoso, com uma estampa maravilhosa, cores que são acara do inverno e, ainda por cima, tem franjas. Mas o mais importante é que ele deu um toque super jovial e inesperado pra saia que todo mundo imagina com uma blusinha social.


E já que a gente tá brincando de rejuvenescer, aproveitei pra enfiar logo um óculos espelhado no look. Eu adorei o contraste moderninho da lente espelhada em laranja com a cara mais rústica do tricô.


E, finalmente, eis a bolsinha que eu tanto amo. O toque final de glamour. Papai sabe onde investir o seu din din.

Créditos:

Saia: Animale
Tricô: Zara
Bolsa: brechó em Buenos Aires
Sapatos: Zara
Óculos: Zero UV